Dia das mulheres

Dia das mulheres

 

Não, não há nada mais que se possa fazer.

Aquela pequena menina já foi convencida pela sua criação

Que podia menos

Que sentia mais

Que brincava menos

Trabalhava mais

Brincava menos que as meninas brancas e ricas

Brincava menos que os meninos pobres como ela

Aprendeu devagarzinho ao ir à escola

Que sua fila era separada

E que ao ouvir dos colegas ao ver um menino em sua fila sem querer “credo, mulherzinha”, aprendeu bem que é vergonhoso ser menina, ser mulher.

Lá na casa dela, ao ver a mãe trabalhando muito e chegando em casa e continuando a trabalhar muito, fazendo comida, limpando a casa e lavando a roupa, verificando se todas as crianças comeram, vendo se havia lição de casa, acabada pelo cansaço enquanto seu pai descansava no sofá e de vez em quando gritava algo grosseiro, ela aprendeu a subserviência…

Quando seus professores não a convidavam a participar do grupo que desenvolvia projetos de tecnologia e a mexer com o equipamento da rádio e a ela pediam que escrevessem o programa, ela aprendeu que teria que ir para a área de humanas…

Quando seu namorado falou pra ela transar sem camisinha por amor, ela aprendeu desde mesmo antes disso, que deve ficar feliz em ter alguém que goste dela, ela assim tão sem futuro…

Quando engravidou aos 16 anos e foi deixada sozinha, pois afinal de contas, quem mandou não se cuidar? Ela aprendeu que não tem direito a decidir se quer ou não ter esse filho e que mulher pobre tem sim que querer, pois as ricas pagam aborto seguro…

Quando ela descobriu o amor com outra mulher, aprendeu que só há um jeito certo de ter prazer: com o homem opressor…

Quando ela estudou muito e foi procurar emprego, ela aprendeu que mulher que tem filho fica pra trás porque as empresas preferem as outras, que não faltarão por qualquer coisa, afinal de contas, ela fez o filho sozinha mesmo, não é?

Quando ela conseguiu um altíssimo cargo numa grande empresa, ela aprendeu que todo o seu trabalho, embora igual a de seus colegas homens, valia muito menos porque ela era mulher… e embora ganhasse muito dinheiro, era julgada porque não tinha tempo pra dedicação à família, aos filhos…afinal de contas, ela fez o filho sozinha mesmo, não é?

Quando ela entendeu todo o processo de exclusão sistemática e construída, ela mudou sua vida, deixou seus filhos brincarem com bonecas para aprender a cuidar de alguém e ajudar suas futuras companheiras. Ou companheiros? Começou a dividir as tarefas com todas as pessoas dentro de casa, independente do sexo sem medo de ofender ninguém, sem medo de se perder, sem medo de ficar sozinha.

Quando ficou sozinha por ter a rédea de sua vida, descobriu que existem outros homens (e porque não, outras mulheres?), que são legais e que a entendem e a vêem como gente.

E, feliz da vida, pensou que então, finalmente, poderia deixar que alguém cuidasse dela também. Mas desconfia que apesar das conquistas, ainda há muito pelo que lutar. Mas aprendeu também a não desistir, e hoje segue resisitindo.

Há sim, ainda há algo que se possa fazer.

E você, vai ficar aí parado?

 

Edna Telles

08 de março de 2012, as 23h14

 

 

 

 

 

Anúncios

Sobre poemasetextos

Sou uma pessoa apaixonada pela vida!
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s